12 de jul de 2011

Onde PSDB errou?

Autor: 
  no Blog do Nassif 
Onde PSDB errou?
Errou quando acompanhou FHC no seu sonho megalômano de voltar ao poder.
FHC já havia sonhado antes com o terceiro mandato.
FHC no Brasil, Menen na Argentina e Fujimori no Peru eram os “latin gold boys” do Consenso de Washington, nos anos 90.
Fujimori, ao seu jeito, já havia conquistado o terceiro mandato, Menen tentou.
FHC se mostrava docemente constrangido com esse assunto, mas, de modo algum desautorizava as articulações nesse sentido que corriam soltas.
As derrocadas de Fujimori e Menen castraram a oportunidade de FHC se re-re-candidatar.
1º erro.
No post anterior comentei como FHC sonhou a eleição de Lula como a sua passagem de volta a presidência.
O problema é que para chegar a isso o PSDB deveria fazer oposição figadal ao governo Lula e ao PT. Só que, para mal dos pecados, o governo Lula veio com um programa de governo perfeitamente defensável pelo PSDB, e mais, botou para fora seus “radicais” e se mostrava aberto a alguma forma de diálogo.

O PSDB poderia ter feito uma oposição propositiva, negociado cada aprovação de medidas lulistas no congresso, botado sua marca no governo Lula. Mostrado que o governo Lula só obtivera sucesso porque foi “filtrado” pela racionalidade administrativa dos tucanos que o depuraram dos seus erros.
Ao invés disso partiu para as agressões destemperadas de Agripinos, Virgílios e que tais.
Quem orientava o PSDB?
FHC.
2º erro
Ocorre que o sucesso de Lula era veneno nos planos de FHC, o impeachment era uma jogada que já havia funcionado com Collor. Impeachment de Lula, pressão para José Alencar chamar eleições antecipadas e FHC de volta nos braços do povo.
Nos últimos dias de funcionamento do congresso em 2005, após todo o show de horrores que a oposição apresentou nas três CPI´s simultâneas que investigaram o escândalo do mensalão e com Lula já calejado, o PT consegue assinaturas para acabar com as CPI´s. A vitória era tão frágil que a retomada da CPI´s dependia apenas da retirada da assinatura de um deputado que apoiara a suspensão dos trabalhos.
Se o PSDB tivesse usado a lógica política essa retirada já mais teria sido tentada. O escândalo já havia dado o que tinha de dar. Deixar as CPI´s se acabarem colocaria nos ombros de Lula a responsabilidade pelo fim das investigações por parte do congresso. Teria sido o “trator lulista” passando por cima da oposição e acobertando os mal feitos do seu governo.
Mas era preciso deixar Lula sangrar, pressionaram um dos deputados, a retirada da assinatura foi comemorada como vitória da oposição e humilhação do PT e de Lula.
Logo no reinicio dos trabalhos explode o “Fator Azeredo”. Ou seja, o PSDB mineiro mancava da mesma perna da qual acusavam o PT de claudicar. Marcos Valério já tinha prestado seus bons serviços para Eduardo Azeredo, então presidente do PSDB.
As CPI´s acabaram em uma cena vexaminosa onde deputados eram condenados no conselho de ética com voto aberto e absolvidos em plenário com voto fechado.
FHC declarou publicamente que o PSDB errara ao não jogar Azeredo ao mar.
Que importava a FHC a sorte de Azeredo, importava lhe sim o fim do seu sonho.
Dali para frente Lula era imbatível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário