31 de mar de 2011

Estão tirando pão da boca de criança

Do Balaio do Kotscho
Não, agora não é mais apenas uma força de expressão: o título acima resume o crime hediondo cometido por 16 pessoas presas esta semana pela Polícia Federal em Alagoas, entre elas quatro “primeiras-damas” de municípios do interior, que desviaram dinheiro da merenda escolar para comprar ração para cachorro, garrafas de uísque 12 anos e caixas de vinho, entre outros artigos de primeira necessidade.
Já vimos de tudo em matéria de bandalheira no nosso país, mas pode existir algo de mais abominável do que literalmente tirar pão da boca da crianças, em sua grande maioria carentes, que têm na merenda escolar muitas vezes sua única refeição do dia?
Será que estas mulheres chamadas de “primeiras-damas”, cujos nomes foram mantidos em segredo de Justiça, não têm filhos, netos, alguma criança na família para saber a barbaridade que estão cometendo?
A PF calcula que em dois anos estes criminosos desviaram R$ 8 milhões da verba destinada à merenda das escolas públicas de Alagoas. Quantos quilos de comida e litros de leite poderiam ser comprados com esta grana que o governo gastou e não chegou às crianças alagoanas?

O mapa do Brasil se aprovado os projetos de criação de novos Estados

Do Blog Treta

Atualmente estão em tramitação, em diferentes estágios, propostas para a criação de nada menos do que 18 novos estados brasileiros e três novos territórios federais, o que deixaria nossa República Federativa do Brasil com um total de 48 UFs e um novo aspecto visual, como demonstrado no mapa abaixo:

O formato do planeta Terra

Fonte: ESA
Segundo dados enviados por satélites, cientistas definiram a exata forma da Terra. Ela não é totalmente redonda e sim geóide, como mostra a foto abaixo.
No Link abaixo, animação da rotação do planeta.

http://www.esa.int/esaCP/SEM1AK6UPLG_index_0.html


Modelo da gravidade na Terra fornecerá dados oceanográficos e da estrutura interna do planeta

O colapso da globalização

28/3/2011, Chris Hedges, Truthdig via Viomundo
Tradução do Coletivo da Vila Vudu
Os levantes do Oriente Médio, a agitação e a guerra que destroçam países, hoje, como a Costa do Marfim, o descontentamento que faz ferver a Grécia, a Irlanda, a Grã-Bretanha e todas as lutas dos trabalhadores em estados como Wisconsin e Ohio anunciam o colapso da globalização. São a voz de um mundo no qual recursos vitais, como comida e água, empregos e segurança, são cada dia mais escassos e mais difíceis de encontrar. Anunciam a certeza de miséria sempre crescente para centenas de milhões de pessoas que se veem presas em estados fracassados, sofrendo violência cada dia maior e vendo aumentar, só, a miséria e o medo.
Tudo o que milhões e milhões veem no futuro é controle draconiano cada dia maior, cada dia mais violência e força. – E quem duvide veja o que está sendo feito hoje contra o soldado Bradley Manning – controle, violência e força, que a elite das corporações usa para arquitetar a desgraça de milhões de seres humanos.
Temos de abraçar, e abraçar imediatamente, uma nova ética radical de simplicidade e rigorosa proteção de nosso ecossistema – com atenção especial ao clima – ou estaremos pendurados à vida por um fio, pela ponta dos dedos. Temos de reconstruir movimentos sociais radicais que exijam que os recursos do Estado e da nação sejam empregados para prover o bem-estar dos cidadãos e que a mão pesada do Estado seja usada para proibir a ação deletéria da elite do poder das corporações. Temos de ver os capitalistas das corporações, que assumiram controle integral sobre nosso dinheiro, nossa comida, nossa energia, nossa educação, nossa imprensa, nosso sistema de saúde, nosso governo e nossa democracia, como nossos inimigos mortais a serem derrotados.
Nutrição adequada, água limpa e segurança básica já estão muito além do alcance de talvez mais da metade da população do mundo.

Pearl Jam - Jeremy

Primeiro clip(que eu lembro) que tratou sobre o bullyng. O clipe é muito legal.



Letra traduzida

Em casa
Desenhando figuras de topos de montanhas
Com ele no topo, sol amarelo limão
Braços erguidos em V
Os mortos estendidos em poças de cor marron embaixo deles

Entrevista de Mino Carta ao programa Provocações

A sinceridade de Mino Carta de se auto avaliar e avaliar a imprensa é surpreendente. Sá para lembrar, Mino foi redator chefe da Veja por inúmeros anos, da quatro rodas dentre outras revistas. Hoje é redator da Carta Capital. Confira quão isenta é a nossa imprensa.
 



O passado de Dilma e o presente da China

 Por Fabiano Maisonnave na Folha
O propalado novo peso dos direitos humanos na diplomacia brasileira terá um duro teste na China, aonde a presidente Dilma Rousseff chega daqui a poucos dias, em 11 de abril.
Até lá, é bem provável que a China continue aumentando a lista de escritores, advogados e outros dissidentes políticos detidos nas últimas semanas, na maior onda de repressão promovida pelo governo chinês em vários anos.
O caso mais recente é o do escritor chinês naturalizado australiano Yang Hengjun. Crítico do regime comunista e autor de um popular blog político, ele desapareceu no domingo. Estava no aeroporto de Guangzhou, no sul da China, e não foi mais visto após telefonar ao assistente para dizer que três homens o seguiam.

Segundo a agência Associated Press, Yang telefonou nesta semana para uma irmã na China para dizer que havia sido detido por agentes de segurança. O governo australiano pediu publicamente informações sobre o paradeiro do escritor na terça, mas até agora o governo chinês não deu nenhuma explicação, ao menos publicamente.
O que fez Yang? Autor de novelas de espionagem, mantém um blog em que costuma defender mais abertura democrática na China (alguns dos seus posts podem ser lidos aqui, em inglês. Eu sugiro este).
Yang não é um caso isolado. Extremamente preocupado em evitar qualquer tipo de contaminação vinda dos protestos do mundo árabe, o governo chinês vem exercendo um cerco implacável aos dissidentes.
Um levantamento do blog China Geeks traz 48 nomes de ativistas que, ao longo dos últimos 30 dias, foram presos, detidos por algum tempo ou estão desaparecidos. Yang é o último da lista.

2ª Turma tranca ação penal envolvendo tentativa de furto inusitado

Do STF
Na sessão dessa terça-feira (29), a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), em processo relatado pelo ministro Ayres Britto (HC 106957), aplicou o princípio da insignificância penal (ou bagatela) e trancou ação penal contra S.L.A., denunciada por tentativa de furto de bijuterias banhadas a prata no valor de R$ 140,00, no dia 27 de março de 2008.
De acordo com o ministro Ayres Britto, os autos revelam que S.L.A. experimentou os brincos, juntamente com o colar e o pingente, e saiu correndo da loja, sendo alcançada por seguranças, que a fizeram devolver a mercadoria.

“O delito ocorreu numa circunstância inusitada, que revela atitude primária, ostensiva e rudimentar. Na minha opinião, a ofensividade social neste caso é mínima, assim como a periculosidade da denunciada. O ocorrido assemelha-se mais a um caso de desatino ou coisa que o valha”, afirmou o ministro relator.
O HC foi impetrado no Supremo pela Defensoria Pública da União contra acórdão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que afastou o princípio da insignificância ao caso. Em primeira instância, S.L.A. foi absolvida em razão da aplicação do princípio. O Ministério Público recorreu ao Tribunal de Justiça do estado do Rio Grande do Sul (TJ-RS), que reformou a sentença. A defesa recorreu ao STJ, que rejeitou a tese da bagatela, mantendo a decisão estadual.

VP/CG//GAB

30 de mar de 2011

Nando Reis e Negra Li

Deputado abre mão de verbas parlamentares: "Era excessivo"


Marcela Rocha no Terra Magazine
Chamado de "demagogo" por alguns colegas, o deputado federal José Antonio Reguffe (PDT-DF) resolveu abrir mão dos benefícios e ajudas de custo parlamentar que, para ele, "são desperdício de dinheiro público". Ainda no começo de fevereiro, ele encaminhou seis ofícios para a Diretoria da Câmara pedindo - em caráter irrevogável - os seguintes itens:
- suspensão do 14º e 15º salários que teria direito a receber;
- redução da verba de gabinete em 20% - passando de R$ 60 mil para R$ 48 mil;
- redução - de 25 para nove - do número de assessores a que teria direito;
- diminuir em mais de 80% a cota interna do gabinete. Dos R$ 23.030 a que teria direito por mês, reduziu para apenas R$ 4.600;
- acabar com o seu auxílio moradia, por, segundo descrito no ofício, entender que deputados eleitos pelo Distrito Federal não necessitem do benefício;
- acabar com a cota de passagens, também por ter sido eleito pelo DF.
A assessoria do parlamentar calculou que ele vai economizar aos cofres públicos mais de R$ 2,3 milhões nos quatro anos de mandato. "Defendo a tese de que um mandato pode ser de qualidade, custando bem menos para o contribuinte do que custa hoje. É o que pratiquei enquanto deputado distrital e agora enquanto federal", afirmou Reguffe a Terra Magazine.

As ondas do poder e os ciclos da moeda

José Luís Fiori no Valor Econômico via Centro Celso Furtado

"The time has come for a new economic policy for the United States. Accordingly, I
have directed the Secretary of the Treasury to suspend temporarily the convertibility of
the American dollar..." Speech by Richard Nixon, 15 August 1971
Na história do sistema capitalista, só existiram duas moedas internacionais: a libra e o dólar. E só se pode falar da existência de três sistemas monetários globais: o "padrão ouro", que ruiu na década de 1930; o "padrão dólar", que terminou em 1971; e o "padrão dólar-flexível", que nasceu na década de 1970 e está passando por uma turbulência neste início do século XXI. Os dois primeiros sistemas se apoiaram numa
relação fixa entre a libra e o dólar, e uma base metálica comum, o ouro; mas o terceiro sistema, o "dólar-flexível", não tem nenhum tipo de padrão metálico de referência, apoiando-se apenas no poder dos EUA de definir o valor da sua moeda nacional/internacional e dos seus títulos da dívida pública. Apesar de certa imprecisão histórica, se pode dizer que o "padrão ouro" nasceu  depois da vitória inglesa nas guerras bonapartistas, e junto com a supremacia econômica britânica, na América e na Índia. Por sua vez, o "padrão dólar" só se impõe a todo mundo capitalista, depois da vitória americana na II Guerra Mundial. O "sistema dólarflexível", entretanto, nasceu de forma diferente, de uma decisão unilateral e "pacífica", tomada pelo governo americano. EUA. No dia 15 de agosto de 1971, o presidente Richard Nixon decretou o fim da conversibilidade do dólar em ouro, estabelecida em Bretton Woods, em 1944, num discurso à nação em que defendeu a necessidade de um novo sistema monetário internacional.

Complacência com tortura estimula violência policial

Por Marcelo Semer no Blog Sem Juízo


Ao legitimar ficha-suja da tortura, abrimos porta para conviver com excessos policiais, herdados dos anos de chumbo.


Poucas cenas são tão impactantes, quanto a de policiais-militares disparando, à queima-roupa, contra um garoto indefeso de quinze anos, na cidade de Manaus. 

Sozinho, desarmado e acuado, o adolescente recebeu diversos tiros, mas no boletim de ocorrência, os agentes da lei disseram que apenas se defendiam de seus ataques.

Pela enorme perplexidade que também causou, a fotografia do PM carioca jogando gás pimenta em uma criança, durante repressão a manifestação de moradores no Morro do Bumba, entrou para o álbum tétrico da violência policial da semana. 

Álbum, aliás, que se completou com a informação de que a Polícia Civil estima em torno de cento e cinquenta as vítimas de homicídios de grupos de extermínio constituídos por policiais militares no Estado de São Paulo. 

A repulsa social é gigantesca quando vemos as imagens destes crimes. Mas a inércia diante da violência policial permanece intacta.

29 de mar de 2011

Como deixar alguém feliz

Sugestão de Tati Rigoni

José Alencar, ex-vice presidente, morre aos 79 anos

Da Folhaonline

O ex-vice-presidente da República José Alencar morreu hoje aos 79 anos, no hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, vítima de câncer. Ele foi internado ontem com quadro de suboclusão intestinal.
Alencar enfrentava havia mais de 15 anos um câncer na região abdominal. Ele passou por 17 cirurgias e várias internações.
Sérgio Lima/Folhapress
José Alencar morre aos 79 anos em São Paulo
José Alencar morre aos 79 anos em São Paulo
Por conta do tratamento, ele decidiu que não concorreria às eleições em outubro, por considerar uma injustiça com os eleitores.
No aniversário da cidade de São Paulo, em 25 de janeiro, ele foi homenageado em cerimônia na Prefeitura de São Paulo, com presença da presidente Dilma Rousseff, do ex-presidente Lula, do governador Geraldo Alckmin (PSDB) e do prefeito Gilberto Kassab (DEM).
Em novembro, após sofrer um infarto agudo do miocárdio, Alencar chegou a interromper o tratamento contra o câncer por alguns dias. De lá para cá, o sarcoma teve "progressão clara", segundo o oncologista Paulo Hoff, da equipe médica responsável pelo ex-vice.
COTEMINAS
O ex-vice entrou na política graças a sua atuação empresarial bem sucedida. O sucesso frente à Coteminas, uma das maiores indústrias de tecido do Brasil, o levou para instituições que o colocaram em contato direto com a sociedade civil.

Filha sacana

Torcedores do Cucuta da Colômbia levam amigo morto no caixão para o Estádio

Se a moda pega.




Christopher Jácome, de apenas 17 anos, foi morto enquanto jogava futebol no último sábado em mais um caso de violência na Colômbia. No entanto, isto não o impediu de comparecer ao jogo do Cúcuta na tarde de domingo.
Isto porque integrantes da "Barra del Indio" do Cúcuta, torcida da qual Christopher fazia parte, levaram o caixão com o corpo do rapaz ao Estádio General Santander na partida contra o Envigado. Dentro de campo, empate em 1 a 1 pelo Campeonato Colombiano.

De acordo com a polícia local, os torcedores, apresentando sinais de embriaguez, invadiram o velório na casa de Christopher e obtiveram autorização da família para levá-lo ao jogo do Cúcuta pela última vez.

Caiu a ficha!

Antonio Delfim Netto No Valor via Nassif
Caiu a ficha! A expressão não é elegante, mas cabe como uma luva aos economistas que ao pretenderem criar uma "ciência", construíram uma "religião": uma "ciência econômica" que acredita em leis naturais que governam o funcionamento do sistema econômico e são, portanto, independentes da história, da geografia, da psicologia, da antropologia etc.
Tal crença apoiada numa formalização útil, mas exagerada para lhe dar um ar "científico", interditou ou reduziu à heterodoxia visões alternativas do mundo e produziu o míope "pensamento único" que empobreceu a economia política. Está agora a desfazer-se sob os nossos olhos, sob a pressão de velhíssimos ortodoxos! Esses tentam, desesperadamente, entender como foi possível a crise de 2007/2009 que emergiu como uma "surpresa" numa conjuntura que parecia de plena tranquilidade e atribuída ao sucesso daquela "ciência monetária"...
Nada pode demonstrar melhor essa tragédia do que as contribuições de brilhantes economistas (todos do "mainstream") à conferência "Repensando a Política Macroeconômica". Ela foi organizada às expensas do FMI, por Olivier Blanchard (economista-chefe do FMI e autor de dois clássicos, um dos quais, desde 1989, dominou o estudo "sério" da macroeconomia), David Romer (autor da bíblia "Macroeconomia Avançada"), Joseph Stiglitz (Nobel, 2001) e Michael Spence (Nobel, 2001).

Raridades

Do blog do pretinho


Cristina Kirchner                    Lula                                  Fidel

Obama                                              Sarzkozi

Casal Clinton                                         Mandella

Processo coletivo contra Wallmart: 500 mil funcionários no pólo ativo!

Do Terra


A Suprema Corte de Justiça dos Estados Unidos vai ouvir nesta terça-feira a argumentação da rede de supermercados Walmart para encerrar um processo coletivo movido por 500 mil funcionárias que disseram ter sofrido discriminação de gênero. A ação, a maior coletiva dos EUA, vem se arrastando há dez anos.
Se rejeitada a argumentação, a Justiça dará prosseguimento à ação coletiva. A primeira das ações contra o Walmart foi movida em 2001, por sete empregados que alegaram que as mulheres recebiam salário menor do que colegas homens no mesmo cargo. No entanto, o Walmart nega as acusações e duvida da validade da ação coletiva, exigindo que as funcionárias entrem com ações individuais

Sancionado o direito de visita aos avós

Presidente Dilma sancionou Lei que regulamenta o direito de visita aos avós.

Acrescenta parágrafo único ao art. 1.589 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e dá nova redação ao inciso VII do art. 888 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, para estender aos avós o direito de visita aos netos. 
A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: 
Art. 1o  O art. 1.589 da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, passa a vigorar acrescido do seguinte parágrafo único: 
“Art. 1.589.  ........................................................................................................................................ 
Parágrafo único.  O direito de visita estende-se a qualquer dos avós, a critério do juiz, observados os interesses da criança ou do adolescente.” (NR) 
Art. 2o  O inciso VII do art. 888 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, passa a vigorar com a seguinte redação: 
“Art. 888.  ..........................................................................................................................................
.................................................................................................................................................................. 
VII - a guarda e a educação dos filhos, regulado o direito de visita que, no interesse da criança ou do adolescente, pode, a critério do juiz, ser extensivo a cada um dos avós;
.................................................................................................................................................................” (NR) 
Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação. 
Brasília, 28 de  março  de  2011; 190o da Independência e 123o da República. 
DILMA ROUSSEFFLuiz Paulo Teles Ferreira Barreto
Maria do Rosário Nunes

Como você faz um museu como o Louvre

Por Paulo Nogueira no Diário do Centro do Mundo
Com muitas coisas, incluídas aí pilhagens.
Napoleão, por exemplo, gostava de mostrar pessoalmente as obras de arte que trazia a Paris depois de conquistar países.
Parte da riqueza do Louvre está conectada às pilhagens culturais napoleônicas. Tantos trabalhos foram roubados que com Napoleão acabou nascendo uma nova disciplina, primeiro na França e depois no mundo: a história da arte. Especialistas tentaram decifrar e dar lógica ao acervo do Louvre, em crescimento explosivo com as conquistas napoleônicas.
Quando Napoleão foi enfim derrotado, parte das obras foi devolvida. Mas não toda. O Egito não recuperou nada, por exemplo. A restituição foi conseguida basicamente pelos países influentes na queda de Napoleão. Mesmo eles não conseguiram reaver tudo. Os franceses, espertamente, dissimulavam a origem de peças “transferidas” para Paris, para que os donos tivessem dificuldades enormes em reivindicá-las.
Napoleão levou a modernização ao mundo. Mas trouxe a Paris um tesouro incalculável em arte. Tão logo suas tropas tomaram Berlim, por exemplo, o monumento mais caro aos alemães foi levado para a França – a Quadrinha que domina o Portão de Brandemburgo. (Os alemães a tomaram de volta tão logo puderam, e de quebra humilharam os franceses com a coroação de um rei seu em plena França. Isso aconteceu depois de uma guerra em que os alemães impuseram uma categórica e rápida derrota à França, em 1870.)
Quando você for ao Louvre, e tirar uma foto clássica perto da Mona Lisa em meio ao alarido de turistas que zanzam horas pelo museu sem fazer idéia do que estão vendo, bem, quando você for ao Louvre, lembre-se de que sem Napoleão as galerias não seriam tão belas assim.

Cachaça Mecânica por Anna Ratto

Música de Roberto e Erasmo. Canta muito a Anna Luisa Ratto.

Montar esquema de imigração ilegal para os EUA não é crime, diz TJ-SP

Do última instância
A 9ª Câmara de Direito Criminal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), em decisão unânime, manteve a sentença que absolveu três réus acusados de integrar quadrilha especializada em imigração ilegal para os EUA (Estados Unidos da América) através da fronteira com o México. 
De acordo com informações do tribunal, consta na denúncia que os réus se associaram com o objetivo de viabilizar a entrada de brasileiros nos Estados Unidos de forma ilegal e clandestina, mediante o pagamente de dinheiro, o que configuraria os crimes de estelionato e formação de quadrilha.
No entendimento do relator do processo, desembargador Sérgio Coelho, não é possível caracterizar a conduta dos acusados como crime de estelionato se as vítimas tinham conhecimento dos riscos que a chegada em solo americano e a prática de suborno no México poderiam trazer e, mesmo assim, decidiram incorrer no erro e fazer o negócio.

Racismo declarado

Comentário: O absurdo que este deputado falou. O comentário de que relação entre branco e negro é promiscuidade é lamentável. O vídeo abaixo. atente para os minutos finais:


Da Folhaonline

Preta Gil quer processar deputado por comentário racista


No "CQC" desta segunda-feira, o deputado Jair Bolsonaro (PP) disse que um filho seu nunca namoraria uma mulher negra porque isso seria promiscuidade. Ele respondia a uma pergunta feita por Preta Gil, que em seu perfil no Twitter afirmou estar estudando processar o político.
No programa, Bolsonaro respondia a uma série de perguntas sobre ditadura e preconceito contra gays e negros. Quando questionado pela cantora sobre como ele agiria caso seu filho se apaixonasse por uma negra, o deputado disse não se preocupar com isso.
"Preta, não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco porque meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como lamentavelmente é o teu", respondeu o deputado.
Pouco depois da exibição do programa, Preta Gil usou seu Twitter para falar sobre o assunto. Ela disse ainda ter enviado o vídeo ao seu advogado.
"Advogado acionado, sou uma mulher Negra, forte e irei até o fim", escreveu no microblog.
Procurado pela Folha na manhã de hoje, o deputado não foi encontrado para comentar o caso.

A situação crítica do Farol de Santa Marta

Comentário: um dos locais mais bonitos da região sofre com a ocupação exagerada e falta de saneamento básico. A prainha, que tem 300mts de extensão tem sete focos de esgoto a céu aberto que é despejado na praia. Um dos locais mais bonitos do Farol é hoje, impróprio para o banho.


Do Notisul

 Projetos elaborados por universidades do estado estão entre as propostas para a instalação de um sistema alternativo de tratamento de esgoto na Prainha do Farol de Santa Marta, em Laguna. A opção foi apresentada por técnicos da Casan às lideranças comunitárias, organizações ambientais e secretarias de saúde e planejamento da prefeitura.
 
O objetivo do encontro foi diagnosticar a viabilidade para elaboração de um projeto para a localidade. Alternativas como emissário submarino e tratamento convencional por sucção estão descartados. Ambos são inviáveis devido à localização do Cabo de Santa Marta.
 
Uma das soluções apontadas seria o de canalização dos córregos que desembocam na pequena faixa de areia, e o devido tratamento para continuar a despejar no mar. Neste caso, contudo, é necessário o aval dos órgãos ambientais.
 
Um novo encontro será realizado nos próximos dias, com a participação da Fatma, ICMBio, representantes de universidades, técnicos da Casan, comissão pró-saneamento do Farol e prefeitura, para iniciar uma ação conjunta.
 
Atualmente, são sete focos de esgoto em uma extensão que não chega a 300 metros. Os córregos pluviais são usados para despejar o esgoto ‘in natura’ na Prainha desde o início da década de 80.
 
Além de tornar a água inadequada para o banho - da região, a Prainha é a que mais aparece no relatório da Fatma como local impróprio -, o problema também já reflete no turismo. A atividade gera renda extra para cerca de 200 famílias da localidade.

28 de mar de 2011

Mórbida semelhança

Do Kibeloco

Maria Bethânia e o blog do milhão

Por Bruno Motta

O poder da imprensa e os abusos do poder



Por Bernardo Kucinski no Observatório da Imprensa
Prefácio de Regulação das comunicações – História, poder e direitos, de Venício A. de Lima, Editora Paulus, São Paulo, 2011; intertítulos do OI
Todos sabemos que a imprensa pode destruir reputações, derrubar ministros e às vezes um governo inteiro. Foi uma campanha de imprensa, liderada por um grande jornalista, Carlos Lacerda, que levou Getúlio ao suicídio em 1954. Vinte anos depois, nos Estados Unidos, o presidente Richard Nixon renunciou por causa de denúncias da imprensa.
Nos dois episódios, o poder havia recorrido a métodos criminosos para eliminar ou intimidar oponentes políticos. Ao revelarem esses abusos, derrubando a parede de segredo que os protegia, jornalistas exerceram uma das funções sociais que legitimam a imprensa como ator importante numa democracia.
Mas no Chile, em 1973, a grande imprensa contribuiu não para aprimorar a democracia ou denunciar abusos do poder, ao contrário, para derrubar o governo democraticamente eleito de Salvador Allende, abrindo caminho para a uma das mais abomináveis chacinas políticas da nossa história, sob a ditadura de Pinochet.
Esses três episódios comprovam o imenso poder da mídia tanto de fazer o bem – sob a ótica do aperfeiçoamento democrático – quanto de fazer o mal. E apontam para a questão crucial, objeto dos ensaios que compõem esta obra definitiva do professor Venício Lima: como regular o mercado da comunicação de massa numa sociedade em que a informação é uma mercadoria apropriada por empresas privadas portadoras de interesses políticos, de modo a preservar o potencial democrático da mídia e ao mesmo tempo impedir abusos de poder da própria mídia?
Critérios democráticosEssa questão é ainda mais crucial em sociedades de cultura autoritária, como as latino-americanas, nas quais predomina um cenário de polarização da renda e concentração da propriedade e do poder econômico, inclusive o dos conglomerados da indústria da comunicação.
É um cenário propício à instrumentação da mídia nas disputas de poder. Basta lembrar como se deu a eleição do primeiro presidente civil, ao fim do regime militar. Inventado do nada, endeusado pela revista Veja como condutor de uma luta implacável contra a corrupção e com o apoio da Rede Globo, que falseou o debate final decisivo da campanha, Fernando Collor tornou-se o primeiro presidente eleito, após os 25 anos de ditadura.

"Fukushima fez de mim um partidário das usinas nucleares"


GEORGE MONBIOT colunista do Jornal Inglês - The Guardian; publicado na Folha de São Paulo e indicado por Paulo Moreira Leite na Época


Você não se surpreenderá ao ouvir que os acontecimentos no Japão me fizeram mudar de opinião sobre a energia nuclear. Mas pode se surpreender com a direção da mudança. Como resultado do desastre em Fukushima, abandonei a neutralidade quanto à energia nuclear, e agora apoio seu uso. 
Uma usina velha e dotada de recursos de segurança insuficientes foi atingida por um monstruoso terremoto. 
As redes de energia falharam, derrubando o sistema de refrigeração. Os reatores começaram a explodir. 
O desastre expôs um legado conhecido, de projetos deficientes e o uso de gambiarras para reduzir custos. Mas, pelo menos até onde sabemos, ninguém recebeu uma dose letal de radiação. 
Não estou propondo que sejamos complacentes. Mas é preciso perspectiva. 
Como a maioria dos ecologistas, defendo uma grande expansão no uso de fontes de energia renováveis. 
Também simpatizo com as queixas dos oponentes disso. Não são apenas as instalações de energia eólica próximas à costa que incomodam, mas as novas conexões de rede elétrica (fios, postes). 
Os impactos e custos das fontes renováveis crescem em proporção ao volume de energia que elas fornecem. 
Sempre apelei pelo uso de fontes de energia renovável como substitutas do combustível fóssil. 
Deveríamos exigir que elas também substituíssem a atual capacidade de geração nuclear? Quanto mais esperarmos das fontes renováveis de energia, mais difícil será a tarefa de persuadir o público quanto ao seu uso. 
Mas a fonte de energia a que a maioria das economias recorreriam caso fechassem suas usinas nucleares não é madeira, água, vento ou luz solar, e sim o combustível fóssil. O carvão é 100 vezes pior que a energia nuclear. 
Sim, continuo a desprezar os mentirosos que comandam a indústria da energia nuclear. Sim, eu preferiria que o setor fosse fechado, caso existissem alternativas. 
Mas não há solução ideal. Toda tecnologia de energia tem seu custo, e a ausência dessas tecnologias também teria. A energia nuclear foi submetida a um dos mais severos testes possíveis, e o impacto sobre o planeta foi pequeno. A crise em Fukushima fez de mim um defensor da energia nuclear.

Uma voz inteligente

Por Paulo Moreira Leite na Época

Nossos ambientalistas superficiais me desculpem mas eu acho impossível deixar de aplaudir um artigo publicado hoje na Folha.
“Fukushima fez de mim um partidário das usinas nucleares”, escreve o ecologista George Monbiot, num texto publicado originalmente pelo inglês Guardian.
O argumento é simples: a tragédia japonesa já passou dos 9 400 mortos e pode chegar a perto de 30 000. Até agora nem uma única vida humana foi perdida em função do uso de energia nuclear.  Ocorreram vazamentos, o nível de radiação subiu a patamares indesejáveis emvários locais mas não é a usina de Fukushima que está no origem do desastre.
Para o articulista, o saldo final é uma demonstração de que a energia nuclear é muito mais segura do que se supunha antes do tsunami. Submetida a uma prova tão violenta, foi capaz de assustar e preocupar — mas não provocou mortos nem feridos, ao menos até aqui.
Acho bom ler o artigo na integra: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft2303201115.htm
Mas não resisto a resumir algumas frases importantes:
“Como resultado do desastre em Fukushima, abandonei a neutralidade quanto à energia nuclear, e agora apoio seu uso,” diz George Monbiot. Ele acrescenta: “Uma usina velha e dotada de recursos de segurança insuficientes foi atingida por um monstruoso terremoto. As redes de energia falharam, derrubando o sistema de refrigeração. Os reatores começaram a explodir.O desastre expôs um legado conhecido, de projetos deficientes e o uso de gambiarras para reduzir custos. Mas, pelo menos até onde sabemos, ninguém recebeu uma dose letal de radiação.

'Debaixo da toga de juiz também bate um coração', diz Fux

VERA MAGALHÃES na folha via Nassif

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, 57, não aceita ser responsabilizado pelo voto decisivo que anulou a aplicação da Lei da Ficha Limpa nas eleições de 2010.
Juiz de carreira, ele disse que procurou argumentos jurídicos para tentar validar a regra na última eleição, mas não encontrou. "Debaixo da toga de um magistrado também bate um coração de homem", disse, ao explicar que tenta sempre equilibrar "razão e sensibilidade" ao julgar. "Procuro sempre esse equilíbrio, e acho que tenho conseguido''.
A seguir, os principais trechos da entrevista concedida em sua casa, na sexta.
Folha - Como o sr. se sentiu desempatando uma questão tão controversa como a da validade da Lei da Ficha Limpa em 2010?
Luiz Fux - Eu não desempatei nada. Apenas aderi à posição majoritária do Supremo, que era no sentido de não permitir que a lei valesse para as eleições do mesmo ano. Os votos foram de acordo com o artigo 16 da Constituição, que é um artigo de uma clareza meridiana. Uma coisa tão simples que às vezes um leigo sozinho, lendo o dispositivo, vai chegar à mesma conclusão que eu. O artigo 16 diz que a lei que altera o processo eleitoral não se aplica na eleição que ocorra até um ano de sua vigência.
Alguns ministros, como Joaquim Barbosa, entenderam que era o caso de decidir entre o artigo 16, que trata da anualidade e preserva direitos individuais, e o princípio da moralidade, que tem maior impacto social.
Eu tenho uma visão técnica sobre esse tema. Esse principio da anualidade eleitoral é transindividual, porque refere-se à universalidade dos eleitores e à universalidade dos candidatos. Aqui não está em jogo interesse individual ou coletivo. Aqui está em jogo princípio transindividual.
Como corte constitucional, o STF deve fazer distinção entre o que deve prevalecer: os direitos individuais ou os direitos da sociedade?

A Sari'a - O caminho


Cláudio Lembo no Terra Magazine
De São Paulo
Os meios de comunicação, nos países ocidentais, oferecem uma visão distorcida dos acontecimentos que vêm se desenvolvendo no mundo muçulmano.
Os países do Islam - árabes ou de outras etnias - são considerados despidos de História e repletos de tribos pouco afeitas ao convívio com a Europa e Estados Unidos.
É meia verdade. Todos os países muçulmanos, particularmente os situados na Península Arábica sempre mantiveram fortes vínculos com o Ocidente.
Estes vínculos mostraram-se, em passado recente, com nítido corte colonialista, onde as intrigas diplomáticas e os tratados secretos contrários aos interesses árabes eram constantes.
É sempre oportuno registrar o tratado secreto entre franceses e ingleses - Tratado Sykes-Picot - que escondia uma ação contra a eventualidade do surgimento de uma nação árabe comum.
Publicamente, ambos os países, França e Inglaterra, apoiavam o surgimento de um mundo árabe unido e concomitantemente, mediante ações sob-reptícias apoiavam revoltas locais contra este objetivo.

27 de mar de 2011

Dos recursos que chegam ao STF, 17,9% revertem sentença

 

Marcelo Miranda Becker no Terra

A proposta de emenda constitucional (PEC) que prevê a execução imediata da pena após decisão de segunda instância é tema de debate entre juristas desde que foi anunciada oficialmente, na última segunda-feira, pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Cezar Peluso. Entre os principais argumentos contrários à proposta está o de que o réu poderá cumprir a pena mesmo quando ainda houver possibilidade de recurso junto aos tribunais superiores e ao Supremo. Entretanto, o que se vê na prática é que são poucos, atualmente, os casos que chegam até o STF e que têm revertida a sentença de instâncias anteriores.
Segundo levantamento feito com informações do Portal de Informações Gerenciais do STF, dos 323.784 processos recursais (entre recursos extraordinários e agravos de instrumento) que foram julgados pela Suprema Corte de 2007 até o dia 24 de março de 2011, 58.184 (17,97%) tiveram provimento.
Mesmo com o baixo índice de efetividade, os recursos extraordinários e os agravos de instrumento respondem pela grande maioria dos processos que chegam até o STF. De acordo com o estudo "Supremo em Números", da Fundação Getúlio Vargas (FGV), as ações recursais correspondem a 91,69% dos 1.220.597 processos analisados pela Suprema Corte entre 1988 e 2009.

26 de mar de 2011

Profeta Gentileza

Samuel Bowles no post anterior declarou que a gentileza foi uma das caracteristicas humanas responsáveis pelo desenvolvimento da espécie. Abaixo a gentileza em pessoa.

No Link abaixo a história do profeta Gentileza no Wikipédia.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Profeta_Gentileza