31 de jul de 2011

Carolina de Jesus e Estamira: mulheres, negras e brasileiras

Por PAULO MOREIRA LEITE

mulheres01.jpgO único filme obrigatório de 2006 é Estamira, impressionante depoimento de uma senhora que sobrevive num lixão do Rio de Janeiro. Estamira é um soco no estômago: choca pelo que tem de novo e também pelo que tem de antigo. Em 1958, um jovem repórter, Audálio Dantas, decidiu conhecer de perto uma favela de São Paulo, para retratar um cotidiano que poucos conheciam, na época. Audálio descobriu Carolina de Jesus, personagem que virou reportagem, depois livro e peça de teatro e, até morrer, foi um desses símbolos eternos da desigualdade brasileira.
Há uma semelhança óbvia entre Estamira e Carolina de Jesus. Ambas são mulheres, negras e miseráveis. Há diferenças notáveis, também. Aos olhos de hoje, a pobreza de Carolina de Jesus era uma realidade quase poética, em seus barracos de madeira e uma cidade que ficava genuinamente comovida com sua infelicidade. O retrato de Carolina de Jesus desenhava uma tragédia social que era chocante porque parecia passageira e fácil de ser consertada. Era um Brasil otimista e generoso que olhava para ela, apesar de tudo. A miséria de Estamira é mais sofrida e repulsiva. Se a primeira catava papel, a segunda vai direto ao lixo em busca de detritos. O olhar que mostra Estamira é pessimista, derrotado. Carolina de Jesus foi saudada de modo generoso, com uma certa culpa. Estamira é vista com temor, assombro — e medo. Se o país que acolheu Carolina de Jesus acreditava-se solidário, o Brasil de Estamira perdeu a vergonha do próprio egoísmo.
A pedido do blogue, Audálio Dantas foi ver o Estamira. Consultou seus arquivos sobre Carolina de Jesus. Ele nos enviou as fotos da própria Carolina de Jesus. Uma das fotos mostra a atriz Ruth de Souza, representando a personagem em “O Quarto de Despejo,” encenada em 1961. A última foto é do próprio Audálio na favela, conversando com Carolina de Jesus. Ele também é o autor do texto que publicamos a seguir, e que serve de instrumento para nossa reflexão:

O perigo da moralidade como bem jurídico penal.

 In Boletim IBCCRIM. São Paulo : IBCCRIM, ano 18, n. 224, p. 08, jul., 2011 via Blog de Alexandre Moraes da Rosa

Wilfried Bottke, antes de comentar interessante decisão da Corte Constitucional Federal alemã sobre a constitucionalidade do incesto, questionou se a doutrina dever-se-ia corrigir a si mesma por meio de decisões do Tribunal Constitucional. O sentido da pergunta dizia respeito à não proclamação de que um tipo penal só é legítimo para a tutela de bens jurídicos e não para evitar imoralidades, pois no julgado também entendeu-se pela possível proteção penal da moral.(1)

Importo seu questionamento, pois o Supremo Tribunal Federal decidiu que no delito de casa de prostituição (art. 229, CP) não se tutela bem diverso à moral e aos bons costumes. Textualmente: “(...) no crime de manter casa de prostituição (...), os bens jurídicos protegidos em benefício de toda a coletividade são a moralidade sexual e os bons costumes, valores de elevada importância que, portanto, devem ser resguardados pelo Direito Penal, não havendo que se falar em aplicação do princípio da fragmentariedade (...)”.(2)

Seguindo Bottke, será possível legitimar uma incriminação com base unicamente na moral e nos bons costumes? Para responder à pergunta, deve-se considerar que a função da ciência jurídica penal não é somente de controlar criticamente a legislação, mas também de orientar o legislador e, com efeito, o julgador. Os teóricos do Direito Penal não podem somente censurar, mas devem sugerir – não obstante atentos aos riscos de críticas da própria doutrina e do desprezo do legislador – uma fundamentação dos limites do domínio político em matéria de criminalização.

Para Figueiredo Dias, não obstante pudesse citar outros penalistas, “não é tarefa do Direito Penal, nem primária, nem secundária, proteger a moral”.(3) Isso, pois, “impede-se que o Direito Penal se atribua tarefas irreais como um agente de transformação social”.(4) Muito curioso é que o Ministro Ricardo Lewandowski destacou que “considerações de cunho moral não cabem, evidentemente, numa discussão jurídica como esta”, mas, mesmo assim, julgou de acordo com a relatora do processo, Ministra Cármen Lúcia.

E realmente não cabem, pois se o preceito tutela somente a moral e os bons costumes, para esse objetivo haveria outros e melhores meios do que o Direito Penal. Ademais, considerar que toda a sociedade é beneficiada com a incriminação é sugerir uma sociedade completamente intolerante (o que poderia legitimar a proibição penal da troca de casais, por exemplo), ou seja, é não avaliar que resulta muito duvidoso que seja plausível o recurso a um consenso social sobre a moral e os bons costumes em uma sociedade pluralista e complexa como a atual.

28 de jul de 2011

Ladrões invadem casa nos EUA e cheiram cinzas de falecido

Do G1

Cinco pessoas, sendo dois menores, foram presas em Silver Springs, no estado da Flórida (EUA), depois que invadiram uma casa e cheiraram as cinzas que o dono guardava de seu pai falecido, segundo reportagem da emissora de TV "Fox".
Waldo Soroa (esquerda), Jose David Diaz Marrero (centro) e Matrix Andaluz (direita).Waldo Soroa (esquerda), Jose David Diaz Marrero (centro) e Matrix Andaluz (direita). (Foto: Reprodução)
De acordo com a polícia, os suspeitos confundiram as cinzas com cocaína. A vítima disse para a polícia que os ladrões também levaram as cinzas de dois cães e produtos eletrônicos e joias.
Foram presos Waldo Soroa, de 19 anos, Matrix Andaluz, de 18, e Jose David Diaz Marrero, de 19, além de dois menores.
Depois de achar que fosse cocaína, o grupo percebeu que estava com os restos dos cães e do pai da vítima e se livrou das cinzas.

Ministro Alemão quer acabar com soberania dos países da zona do Euro

Por Paulo Moreira Leite

Vamos combinar que o governo alemão extrapolou diante da crise. O ministro da Economia  Schauble agora acha que os países que querem ajuda para livrar-se da bancarrota — pela qual todas as partes da União Européia tem sua cota de responsabilidade — deveriam abrir mão de sua soberania.
Em reportagem do site da Epoca, descobre-se que Shauble acredita que  “um Estado com problemas, que venha a ser ajudado, deve ceder à União Européia parte de seus direitos de soberania.”
Vamos combinar que nem o FMI em seus momentos de maior arrogancia tinha  coragem de referir-se nestes termos aos países quebrados da América Latina, da África ou da Asia. Mantinha-se as aparencias, pelo menos. Isso porque os direitos políticos de cada povo são realidades mais nobres e consistentes do que os desastres conjunturais de suas economias ou os percalços de seus governos.
Tanto é assim que, ao longo do século XX, a própria Alemanha quebrou três vezes e por três vezes recebeu generosos auxilios dos países que estavam em boa situação financeira. A primeira vez foi na década de 20, quando a crise atingiu um ponto absurdo. A segunda foi nos anos 30, em função da crise de 29. A terceira, e mais grave, foi depois da Segunda Guerra Mundial, quando os países aliados despejaram recursos, créditos e investimentos na economia alemã, destruída por uma guerra que o governo nazista havia iniciado.
Verdade que, pelos acordos do fim da guerra, os alemães foram obrigados a abrir mão de parte de sua soberania. Mas a causa desses acordos não era economica, mas militar, política e humanitária, não é mesmo?
Do ponto de vista economico, a atitude dos países aliados no pós-Guerra foi lúcida e corajosa. Os alemães receberam generosos investimentos que jamais foram pagos, em nome de um projeto de reconstrução chamado Plano Marschall. Além disso, boa parte das dívidas alemãs foi perdoada e apenas algumas reparações envolvendo crimes gravíssimos e vergonhosos — como indenização por trabalhos forçados — tiveram de ser pagas em dia, pontualmente, pois envolviam uma forma degenerada de escravidão.   Nada mal, vamos combinar.

Maluf ameaça voltar a ser candidato a prefeito. Se hipoteticamente eleito, seria preso se desembarcasse em 186 países. Veja por quê

Do blog de Ricardo Setti


Amigos do blog, o homem não sossega. Uma vez mais, o inevitável deputado Paulo Maluf (PP-SP) ameaça: pode vir a ser, de novo, candidato a prefeito de São Paulo.
A coisa ainda não está decidida (leia no site de VEJA), até porque Deus sabe o que vai ocorrer até 2014, ano das eleições presidenciais, para os governos estaduais, o Congresso e as assembleias legislativas. Por via das dúvidas, e enquanto isso, Maluf vai colocando seu pé em diferentes canoas. Agora ele é amiguinho do governador tucano Geraldo Alckmin, e fez indicações para o governo estadual, que o PP apoia. Por outro lado, ele vem apoiando as articulações em favor da candidatura do deputado Gabriel Chalita a prefeito da capital pelo PMDB, outrora, como os tucanos, seu adversário no Estado.
Essa candidatura, se vingar, terá um toque inédito: será o primeiro aspirante à Prefeitura a ser procurado como foragido da Justiça em 186 países do mundo. Se teoricamente ele fosse eleito, o prefeito do mais importante Estado brasileiro só poderia visitar, sem ser preso, 7 países que aparecem em vermelho no mapa acima: a Coreia do Norte, os Estados Federados da Micronésia, as Ilhas Salomão, Kiribati, Palau, Tuvalu ou Vanuatu. A presença do Brasil no mapa múndi está explicada abaixo.
Ordem de captura internacional da Interpol
Os 7 países citados são os únicos do planeta não filiados à Interpol e nos quais, portanto, ele não corre o risco de ser preso ao desembarcar, devido à a ordem internacional de capura que tem contra si em decorrência de processo que sofre desde 2007 na Justiça de Nova York. (Ele não pode ser preso no Brasil porque o pedido é da Justiça dos Estados Unidos e o país, segundo a Constituição, não concede a extradição de seus nacionais).
Maluf teve sua ordem de captura expedida pela Justiça americana para a Interpol em 2007, sob acusação de conspiração, fraude e roubalheira de dinheiro público por, como prefeito (1993-1997), ter, entre outras coisas, supostamente desviado recursos das obras da Avenida Jornalista Roberto Marinho (ex-Água Espraiada) para contas em entidades financeiras de Nova York e, de lá, para paraísos fiscais e outros destinos.
O mais novo amigão do governador tucano de São Paulo, Geraldo Alckmin, que recentemente compareceu, com outras figuras venerandas da República, à posse de Maluf como presidente do PP de São Paulo – sim, Maluf, até há pouco visto como o que de pior poderia haver em matéria de comportamento político, e que passou 40 dias preso numa carceragem da Polícia Federal em 2005 –, esse amigão de Alckmin e da presidente Dilma, do vice Michel Temer, não pode desembarcar sem ser preso nos seguintes 186 países:
Se visitar qualquer desses países, será preso
Afeganistão, África do Sul, Albânia, Alemanha, Andorra, Angola, Antigua & Barbuda, Antilhas Holandesas, Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Armênia, Aruba, Austrália, Áustria, Azerbaijão, Bahamas, Bahrein, Bangladesh, Barbados, Bélgica, Belize, Benin, Butão, Bielorrússia, Bolívia, Bósnia e Herzegóvina, Botswana, Brunei, Bulgária, Burkina-Faso, Burundi, Cabo Verde, Camarões, Camboja, Canadá, Catar, Cazaquistão, Chade, Cingapura, Chile, China, Colômbia, Comores, Congo, Congo, Costa Rica, Coreia do Sul, Costa do Marfim, Croácia, Cuba, Chipre, Dinamarca, Djibouti, Egito, El Salvador, Emirados Árabes Unidos, Equador, Eritreia, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Etiópia, Fiji, Finlândia, Filipinas, França, Gabão, Gâmbia, Geórgia, Gana, Grécia, Granada, Guatemala, Guiné, Guiné Bissau, Guiné Equatorial, Guiana, Haiti, Holanda, Honduras, Hungria, Iêmen, Ilhas Marshall, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Irlanda, Islândia, Israel, Itália, Jamaica, Japão, Jordânia, Kuwait, Laos, Lesoto, Letônia, Líbano, Libéria, Líbia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia, Madagascar, Malásia, Malawi, Mali, Maldivas, Malta, Marrocos, Maurício, Mauritânia, México, Mianmar, Moçambique, Moldova, Mônaco, Mongólia, Montenegro, Namíbia, Nauru, Nepal, Nicarágua, Níger, Nigéria, Noruega, Nova Zelândia, Oman, Panamá, Paquistão, Papua Nova Guiné, Paraguai, Peru, Polônia, Portugal, Quênia, Quirguistão, Reino Unido, República Centro-Africana, República Checa, República Dominicana, Romênia, Rússia, Ruanda, Sta. Lucia, St. Kitts & Nevis, St. Vincent & Granadinas, Samoa, San Marino, São Tomé & Principe, Senegal, Sérvia, Seychelles, Serra Leoa, Somália, Síria, Sri Lanka, Suazilândia, Sudão, Suécia, Suíça, Suriname, Tailândia, Tajiquistão, Tanzânia, Timor Leste, Togo, Tonga, Trinidad & Tobago, Tunísia, Turquia, Turcomenistão, Uganda, Ucrânia, Uruguai, Uzbequistão, Vaticano,Venezuela, Vietnã, Zâmbia e Zimbábue.

27 de jul de 2011

Flores astrais - Secos e Molhados

Trailer documentário sobre o Pearl Jam dirigido por Cameron Crowe

Internação compulsória de menores dependentes de droga gera polêmica

Do profissão repórter da Globo, sugestão de Alexandre Moraes da Rosa

Uma das grandes dificuldades de quem trabalha com dependentes químicos, especialmente os que estão nas ruas, é fazer com que os jovens usuários entendam a gravidade do consumo excessivo de drogas e aceitem fazer um tratamento. No Rio de Janeiro, essa dificuldade levou a prefeitura a conseguir na justiça uma autorização para internar menores compulsoriamente. Ou seja, interná-los à força. As imagens desse recolhimento dos menores foram mostradas no Profissão Repórter de terça-feira, 19 de julho.
 A medida é polêmica e divide a opinião de especialistas. Daniel Daltin Assis, advogado do Cedeca (Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente) de Interlagos, diz que a ação é equivocada e ilegal. “A internação deve ser determinada previamente por um juiz, de forma individualizada e com o uso de um laudo médico. Não pode ser feita de forma genérica”, diz o advogado. Para o Cedeca, a abordagem dos menores deve ser um processo gradual que respeite as individualidades das crianças. E que somente com diálogo e criação de vínculos com os jovens, é possível convencê-los a fazer um tratamento.
 Já a psiquiatra Jackeline Suzie Giusti, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da USP, acredita que a internação obrigatória pode sim ajudar. “Quando o usuário está sob efeito da droga, ele não tem capacidade de raciocinar e saber o que é melhor. Com a internação, existe a chance de orientá-lo e motivá-lo a sair da situação de risco”, diz. A médica lembra ainda que, em alguns casos, os jovens podem morrer se não forem tratados.

TJ mantém corte de salários na Assembleia Legislativa de Santa Catarina

Do DC

Desembargadores alegam prejuízos aos cofres públicos e cumprimento da Constituição

Mayara Rinaldi | mayara.rinaldi@diario.com.br
O Tribunal de Justiça do Estado negou duas novas liminares de servidores da Assembleia Legislativa de Santa Catarina para continuar recebendo aposentadorias acima do teto do salário.

O desembargador substituto Francisco Oliveira Neto, que julgou a ação do procurador Augusto José Alvetti, entendeu que se a aposentadoria fosse mantida e, no julgamento do mérito a Assembleia sair vitoriosa, seria praticamente impossível reaver o dinheiro pago ao servidor. Na situação inversa, segundo o magistrado, Alvetti poderá receber o que deixou de ganhar nesse período se a decisão final do processo for a seu favor.

Além disso, Oliveira Neto diz que os prejuízos para o servidor são poucos porque a aposentadoria de R$ 24,1 mil que continua recebendo é um "patamar aceitável".

No caso do servidor Ademar Francisco Koerich, o relator que nega a liminar, Rodrigo Collaço, avaliou que a decisão administrativa tomada pelo presidente da Assembleia, deputado Gelson Merisio, apenas fez cumprir a Constituição Federal, que impede salários maiores que os de deputados estaduais para servidores públicos.

Chamar de "viado" não estimula carnificina, afirma Bolsonaro



Ana Cláudia Barros no Terra Magazine
Mais conhecido por polêmicas do que pela atividade parlamentar, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) conquistou notoriedade graças às ideias conservadoras que prega. Seu posicionamento contrário aos homossexuais rendeu a fama de homofóbico e, ao mesmo tempo, a simpatia dos que se identificam com o tom mais reacionário de seu discurso.
Em entrevista a Terra Magazine, Bolsonaro afirmou que não vê em suas declarações, incitação à violência contra a população de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais (LGBT) e rechaçou a possibilidade de servir de inspiração para os mais radicais. Os atentados ocorridos na Noruega na semana passada fizeram acender a luz vermelha em relação ao aumento, cada vez mais evidente, de grupos de ultradireita, pautados em ideais com fortes traços fascistas.
O deputado defende que os ataques físicos aos homossexuais, frequentemente noticiados pela imprensa, são resultado da tentativa dos LGBTs de "quererem se transformar numa classe especial, com superdireitos". Indagado se não considerava que o tratamento que vem dando a esse grupo - incluindo os rótulos pejorativos - poderia ajudar a legitimar as agressões, retrucou irritado:
- Chamar alguém de viado agora é estimular a carnificina?
Em seguida, concluiu com ironia:
- Vamos fazer o seguinte: antes de mim, você criminaliza o Costinha (humorista) post-mortem. O Costinha, a cada três piadas, duas falava em bichinha. E não tinha essa história de homofobia. Eu não estou contando piada de homossexual por aí. Eu entrei na briga do "kit gay" (referência ao kit contra homofobia desenvolvido pelo Ministério da Educação).
Confira a entrevista.
Terra Magazine - O atirador norueguês Anders Behring Breivik apresentava ideias ultra-conservadoras, mostrava posição anti-islâmica e já atuou em partido de extrema direita (um dos alvos dos atentados foram militantes de um partido de esquerda). O senhor frequentemente é acusado de ter um discurso reacionário. Não considera que algumas de suas declarações, principalmente sobre homossexuais, podem acabar incitando atos de violência? 

25% do lucro mundial do Santander é no Brasil

Comentário: O engraçado é que não vi nenhum comentarista de economia achar isso uma vergonha. Tudo culpa de taxa de juros que beira ao ilícito penal e penaliza a população e valoriza o capital especulativo que enche as tufas no país.
Da Agência Reuters

MADRI (Reuters) - O banco espanhol Santander anunciou nesta quarta-feira queda de 21 por cento no lucro do primeiro semestre, abaixo da expectativa de analistas.
O lucro de 3,501 bilhões de euros foi afetado por provisões extraordinárias de 620 milhões de euros no Reino Unido.
A América Latina voltou a ser o principal motor do grupo, com aumento do lucro líquido de 15,8 por cento na região no semestre, para 2,457 bilhões de euros, representando 44 por cento do lucro total do grupo.
O Santander Brasil teve alta de 7,6 por cento do lucro no primeiro semestre, para 1,381 bilhão de euros (25 por cento do resultado do grupo). A subsidiária brasileira ainda reportará à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) seu balanço detalhado, em reais.
O grupo Santander reiterou que espera fechar 2011 com lucro recorrente próximo ao do ano passado, mantendo o dividendo em 0,6 euro por ação.
O lucro recorrente do maior banco da zona do euro ficou em 4,121 bilhões de euros no primeiro semestre, resultado 7,3 por cento menor que em igual etapa de 2010.
A previsão média de analistas para o lucro líquido do banco espanhol era de 4,149 bilhões de euros.
REINO UNIDO
As provisões no Reino Unido serão para cobrir eventuais reclamações por seguros vendidos, informou o banco, que segue medidas similares a tomadas por instituições financeiras britânicas como Barclays, Llodys e RBS no primeiro trimestre.
"Se vão seguir adiante com o plano de abrir o capital da filial britânica, é claro que querem sanar o balanço, mas isso não responde a pergunta de por que não fizeram isso junto com os outros bancos", disse o analista Neil Smith, do West LB.
Na Bolsa de Madri, as ações do Santander recuavam 2,5 por cento por volta das 7h (horário de Brasília).


26 de jul de 2011

Brasil é líder em juros reais no mundo desde janeiro de 2010

 
A decisão do Copom (Comitê de Política Monetária) de elevar a taxa básica de juros do país em 0,25 p.p. (ponto percentual), para 12,50% ao ano, fez com que o Brasil continue na liderança do ranking dos países com maiores juros reais do planeta.
O Brasil ocupa a primeira posição do ranking desde janeiro de 2010, quando ultrapassou o segundo colocado à época, a Indonésia, após a quarta manutenção consecutiva da Selic.
Com a alta, os juros reais foram a 6,77% ao ano. Na segunda posição aparece a Hungria, com taxa real de 2,4%. Na terceira posição está o Chile, com 1,8%.
Segundo levantamento da corretora Cruzeiro do Sul, para que o Brasil deixasse a primeira colocação no ranking, seria necessário um corte de 5 p.p. na taxa Selic. Assim, o país chegaria a um juro real de 2,3%, ocupando a segunda posição, atrás da Hungria (2,4%).
Apesar do aumento da Selic, a taxa real de juros recuou de 6,86% na reunião do Copom de junho para 6,77% ao ano na reunião atual. Esse número considera a taxa básica descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses. Como as projeções de inflação subiram mais que os juros, a taxa real ficou menor.
O ranking é elaborado por Jason Vieira, analista internacional da Cruzeiro do Sul Corretora, com 40 das maiores economias do planeta. Da taxa básica, foi descontada a inflação projetada para os próximos 12 meses.
De acordo com os analistas, a alta recente nos preços das commodities influencia nas projeções de inflação pelo mundo.
"A inflação de commodities mantém um peso diferenciado em algumas projeções de inflação mundo afora, principalmente nas economias emergentes, o que alterou diversas projeções de índices de preços e conseqüentemente, algumas colocações no ranking", explica Vieira
Enquanto o Brasil reforça sua liderança na lista, mais da metade dos países citados registram juro real negativo. Tanto que a taxa média geral dos 40 países analisados ficou em -0,9%. Os últimos lugares do ranking são ocupados por Venezuela (-6,1%), Hong Kong (-4,5%) e Cingapura (-4,3%).
Vieira acredita ainda que a recente retração dos índices de inflação tende a levar a um posicionamento menos retracionista de política monetária do Banco Central nos próximos meses. Fonte: Folha Online 

Para entender a estratégia Lula/Dilma

Por Luis Nassif

Apesar de surpreender a gregos e troianos, a estratégia política de Lula-Dilma Rousseff é relativamente fácil de desvendar.
A primeira peça do jogo é não imaginar Dilma dissociada de Lula. Não existe hipótese para ciumeiras, rompimentos. A diferença de estilo entre ambos não é semente para futuras disputas, mas peça essencial na sua estratégia.
Primeiro, vamos às afinidades políticas e à continuidade de ambos os governos.
  1. Ambos são sociais-democratas. Não se exija perfil revolucionário, nem mesmo estatizante, embora estejam longe de se constituir em neoliberais.
  2. São políticos focados em resultados sociais, como peça central de legitimação política, Dilma dando mais atenção à gestão, Lula à política (mesmo porque tinha Dilma para cuidar da gerência).
  3. Na política econômica, a prioridade absoluta é o controle da inflação. Câmbio, desindustrialização, juros, é resto. E resto é resto. Embora Dilma tenha formação desenvolvimentista, a realpolitik se sobrepôs às demais prioridades. Se a crise internacional piorar, pode criar vulnerabilidades nessa parte da estratégia.
  4. No plano político, a lógica não é do confronto, mas da soma. Dilma aprendeu com Lula a dividir os contrários em dois grupos: os adversários e os inimigos. O primeiro grupo é para ser cativado ou cooptado.
Diferenças periféricas
As diferenças de estilo entre Lula e o Dilma são periféricas, embora importantes na montagem da estratégia política. No plano econômico e ideológico, são governos de continuidade.
Muitos analistas – à direita e à esquerda – tomam a nuvem por Juno, as diferenças periféricas pelas essenciais. E acabam se confundindo na análise do governo Dilma e de sua estratégia política.
Os fatores utilizados pela velha mídia para desgastar Lula (fazendo muito barulho, embora influenciando apenas 5% do eleitorado) são desimportantes e nada tem a ver com as peças centrais de sua política.

As mordomias do deputado na Suécia

Revolução do Magistério

 Texto do advogado e economista Carlos Fernando Priess publicado no Blog de Moacir Pereira
A greve dos professores, criticada por uns, elogiada por outros, nos traz uma grande lição, na qual temos que refletir. Num país, reconhecidamente, em pleno desenvolvimento, onde deputados e senadores percebem uma fortuna, impossível entender, como os professores ganha tão mal.
Os professores exercem sua atividade, depois de um longo preparo, de um saber especializado, adquirido depois de processo de aprendizagem, que permite preparar as crianças, os jovens em todas suas etapas, adultos igualmente, capacitando de forma a enfrentar a vida, o trabalho, a sobrevivência, formando também novos mestres.
A docência, o magistério, como atividade profissional exige uma formação especializada, para que os resultados sejam promissores, no entanto, são mal pagos e reconhecidos.
Pensamos, refletimos, sobre os prejuízos, em termos imediatos, sofridos pelos alunos, mas a situação dos professores em geral, é muito grave e o nível de insatisfação dos mesmos, também, dos que sabem avaliar o papel importante dos mestres, é muito grande.
O salário mínimo do professor brasileiro, segundo os acordos impostos a classe, está na ordem de R$1.187,08, para um trabalho de 40 horas, enquanto Deputados e Senadores passaram a perceber um teto de R$26.700,00.
Os parlamentares tiveram um aumento de 61,8%, os trabalhadores em geral 5,9%, elevando o salário mínimo para R$540,00 e os professores neste ano, apenas 8,5%.

Morte aos 27 anos


Assim com Amy Winehouse outras lendas do rock como Jimi Hendrix, Jim Morrison e Kurt Cobain, tem um detalhe macábro e interessante em comum: todos morreram com exatos 27 anos. Há pessoas que acreditam que as mortes estejam ligadas à pactos diabólicos pela fama.
A coincidência é forte, teorias conspiratórias, se é verdade ou mentira o fato é que são histórias mórbidas do universo do rock. Na lista entre os mais famosos estão o bluesman Robert Johnson, o guitarrista dos Stones Brian Jones; o gênio Jimi Hendrix e a incompreendida Janis Joplin; o rei camaleão Jim Morrison e o anti- herói grunge Kurt Cobain.
jimi hendrix 06Jim Morrison  1943-1970
Foi encontrado morto na banheira de um apartamento em Paris, existe uma versão que ele tinha cheirado uma potente heroína puríssima que sua namorada viciada havia comprado. A Cia também entra na jogada como uma grande suspeita de ter eliminado Jim pelo fato na época dele ter sido uma grande influência para os jovens americanos.
janisjoplin 02Janis Joplin 1943-1970
Morreu sozinha num quarto de hotel depois de vários drinques, experimentou a heroína que havia comprado, mas seu amigo químico não estava de plantão, ele sempre testava a pureza da droga. Ela mandou para suas veias grande quantidade de heroína, 50% pura. A Cia é também suspeita da morte dela pelo fato dela ser bissexual, e era contra o establishment principalmente no quesito da sexualidade.
kurtcobain03Kurt Cobain 1967-1994
Personalidade confusa conturbada fez de Kurt um cara suicida, existe grandes lendas que sua mulher Courtney Love teria mandando matar o ícone grunge, o fato é que ele já tinha uma grande tendência de autodestruição, a heroína encontrada no sangue de Kurt era suficiente para matar 10 homens, e esse fato levantado por Nick Broomfield deixa dúvidas no ar, será que Kurt com toda essa dose da droga ainda conseguiria manejar uma espingarda? Love nunca foi investigada a sério.
robert johnson 04Robert Johnson 1911-1938
O Bluesman morreu vítima de pneumonia, causada por sífilis fulminante. Mas a morte também foi relacionada com um assassinato.Robert era mulherengo, a grande suspeita de um possível assassinato que pode ter sido encomendada por um marido enganado por umas das mulheres que Robert pegava.
brian-jones 05Brian Jones 1942-1969
Brian foi encontrado morto boiando na piscina em uma mansão de Londres. A causa da morte overdose seguida de afogamento, umas das suspeitas foi relacionada com seus companheiros de banda, liderado por Mick Jagger, suposto sumo-sacerdote da seita, satânica “Proscess Church of Final Judment” o sacrificariam em troca de sucesso eterno.
jimi hendrix 06Jimi Hendrix 1942-1969
Hendrix morto depois de inserir cápsulas com anfetaminas e sedativos, também cheirou LSD em pó. Durante o sono foi sufocado pelo seu próprio vômito, Hendrix foi socorrido tarde de mais, e a Cia também entra como suspeita na morte dele, porque Jimi estaria muito envolvido em movimentos black do EUA.
Fonte: Araka.com.br