26 de out de 2010

União tem superavit recorde em setembro

Do Terra
O governo central registrou superávit primário recorde em setembro, com o ingresso de receitas atípicas resultantes da operação de capitalização da Petrobras. Descontando o impacto desses recursos, o resultado fiscal seria o pior em um ano, de acordo com dados do Tesouro Nacional divulgados nesta terça-feira.
O saldo primário foi positivo em R$ 26,057 bilhões, ante déficit de R$ 7,814 bilhões em setembro do ano passado. Em setembro, as contas são tradicionalmente pressionadas pelo pagamento de parcela do 13º salário de pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social.
As receitas no mês passado, contudo, foram engordadas com "o ingresso de R$ 74,8 bilhões relativos à cessão onerosa para exploração de petróleo", por meio da qual a União vendeu reservas da commodity à Petrobras, recebendo em troca novas ações.
A capitalização da estatal promovida paralelamente à cessão onerosa também gerou uma despesa para a União, no valor de R$ 42,9 bilhões. O impacto positivo líquido da operação sobre as contas do governo, portanto, foi de R$ 31,9 bilhões.
As despesas primárias do governo com a capitalização seriam maiores se o Tesouro não tivesse optado por fazer parte do aumento de capital por intermédio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Em setembro, a União emprestou R$ 24,8 bilhões ao banco para viabilizar sua participação, via BNDESPAR, na capitalização e esse empréstimo não é computado como despesa primária.
O secretário do Tesouro, Arno Augustin, negou que a operação triangulada tenha sido promovida para engordar o superávit primário, e afirmou que o objetivo foi otimizar a participação do governo na capitalização.
"Só com a União, teríamos uma participação bem menor", afirmou a jornalistas, destacando que o aumento de capital permitido, por acionista, era proporcional à participação já detida na estatal.
Custeio versus investimento
O superávit acumulado no ano somou R$ 55,707 bilhões, o equivalente a 2,14% do Produto Interno Bruto (PIB). Entre janeiro e setembro de 2009, o superávit havia sido de R$ 15,618 bilhões, ou 0,68% do PIB.
Excluindo o efeito da Petrobras, as despesas de custeio subiram 21,6% no período, enquanto as despesas de capital, que compreendem os investimentos, aumentaram 56,6%.
Augustin considerou que os gastos com custeio, direcionados à manutenção da máquina pública, ainda crescem a ritmo "um pouco alto", mas defendeu o desempenho das despesas com investimentos, argumentando que tem sido essencial para sustentar o crescimento da economia.
"Acho que é absolutamente sustentável a equação (fiscal) que temos hoje", afirmou Augustin.

Nenhum comentário:

Postar um comentário