6 de out de 2010

A questão religiosa II

Postei inúmeros artigos e notícias de que a política virou refém da religião.

A legião de pentencostais (exclui-se algumas igrejas que se posicionaram em favor da saúde pública) e os católicos exigem da política uma ação negligente de manutenção do risco à saúde e do  não planejamento familiar.

Tanto Serra, como Dilma, em outras ocasiões manifestaram a preocupação com a saúde de gestantes que realizam abortos em clínicas clandestinas, sem qualquer acompanhamento médico.

Hoje, por motivos eleitoreiros, esquecem a gravidade do problema.

A questão da natalidade e da condição de vida de crianças que nascem em grupos familiares corroídos pela pobreza e, em alguns casos, pela uso continuo de entorpecentes.

Vai-se o ser humano, ficam os dogmas.

A religião e o acreditar superaram à muito o bem estar e condições dignas de sobrevivência, até porque a igreja necessita muito desta legião de descontentes com a vida.

Aos pobres será dado o reino do céu, aos ricos a vida.

A cruzada religiosa esqueceu daquele que o fim da existência humana: a dignidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário