12 de fev de 2011

Quem é Mubarak

Do Diário Catarinense
Com a saída de cena de Hosni Mubarak, 82 anos, os Estados Unidos e Israel perdem um dos seus mais ferrenhos aliados no Oriente Médio e na África. Mubarak, que sucedeu a Anwar el-Sadat, em 1981, governando o Egito com mão de ferro e desfechando ondas sistemáticas de repressão contra a Irmandade Muçulmana, grupo fundamentalista que reúne milhares de adeptos no Egito. Sua política influenciou não só o mundo árabe (a sede da Liga Árabe é no Cairo), como também a África.

Nascido em 1928, estudou na Academia Militar Egípcia, montada pelos britânicos no Cairo – uma das poucas chances de carreira para egípcios pobres na época. Um dos primeiros pilotos do país, Mubarak entrou para a recém-formada Força Aérea Egípcia em 1949. Virou instrutor na Academia da Força Aérea nos anos 1950.

A escalada de Mubarak para o círculo restrito de poder no Egito ocorreu em 1975, quando seu ex-colega de armas Sadat, o nomeou vice-presidente. Mubarak teve um papel importante em implementar as políticas dele. O momento de Mubarak chegou em 6 de outubro de 1981, quando ele escapou do ataque dos oficiais islamitas descontentes com o acordo de paz com Israel. Nomeado presidente pelo partido único do país, o Nacional Democrático, passou a governar com uma política que externamente foi pautada pela paz com Israel.
Milhares de pessoas foram presas, torturadas e mortas pelo Estado nas últimas décadas. Nas eleições, o Partido Nacional Democrático sempre vencia. Mubarak sobreviveu a seis tentativas de assassinato. A mais grave aconteceu em 1995, quando ele visitava Adis-Abeba, capital da Etiópia, onde assistiria a uma reunião de cúpula da União Africana (UA). Ele foi salvo quando o serviço secreto egípcio trocou o carro onde iria do aeroporto à sede da UA. O carro onde a Jihad Islâmica Egípcia pensava que ele estava foi totalmente destruído. Quando voltou ao Cairo, Mubarak ordenou a detenção de mais de 15 mil islamitas.

Na década de 2000, foi aliado das políticas de George W. Bush. Apoiou a invasão do Iraque em 2003, que derrubou Saddam Hussein; ordenou várias vezes o fechamento da fronteira do Egito com Gaza e sugeriu, em um telegrama vazado pelo WikiLeaks, que os EUA ou Israel bombardeassem o Irã. Com sua fortuna, avaliada em, no mínimo, US$ 40 bilhões, poderá partir para um exílio dourado. Ou morrer na terra do Nilo, como disse no seu discurso de quinta-feira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário