11 de set de 2010

O momento político

Dos comentários do Noblat, a descrição perfeita de José Claudio (purareflexão) sobre o momento político.


Eu acho que em época de eleições existe uma coisa muito importante e talvez, mais do que as próprias eleições. É o acordar da "Cinderela Política" que está adormecida dentro de nós eleitores e que desperta só de dois em dois anos. Tentar avaliar imparcialmente o que a gente lê, vê e percebe faz com que a gente cresça, mas também não adianta crescer só de 4 em 4 anos - ou de 2 em 2. Por mais fanático que alguém seja, não precisa ser burro. Violações do direito constitucional que envolve tanto o PT quanto o PSDB - com a agravante para o PT que é governo e para a Receita Federal que não deveria ser, mas foi - é o que existe de mais sórdido e desmedido na luta pelo poder. É a implantação do SNI do período democrático, o paradoxo dos arautos da "liberdade" de outrora. Pura encenação! Se ganhar Dilma ou Serra, ganhamos e perdemos. Ganhamos consciência de fatos dignos da ditadura militar - agora nos porões da alma - e perdemos a confiança em todos. Nas eleições ganha o voto, mas a virada, faz a minoria consciente! 


Questionei José Cláudio


Pura reflexão, em nenhum momento se discute a existência de um crime ou não. Existiu um delito grave que deve ser apurado e que acontece repetidamente, mesmo em anos não eleitorais(VIDE A VENDA DE CDS EM PRAÇAS DE SÃO PAULO). O problema é que a oposição deixou a política de lado e agarrou-se a uma situação e somente a explora, sem propostas ou modelo de Estado que entende correto.
Um país se faz com uma oposição que possua idéias e não abdique da política.
A Marina já expôs isso, o FHC já expôs também, contudo a política deu lugar a lançamentos de acusações que são reverberadas por outros, com claro interesse no pleito.
Ou você acha que a folha, a Veja não tem interesse ideológico (pra não falar monetário) na eleição? 

Em resposta ao meu questionamento:


Caro Marcelo Wanderlind. Se você acaba de dizer, em outras palavras, que todos têm (temos) os nossos interesses, por que a imprensa não deveria também, às vezes, ter? Por que a imprensa é a única com quem as pessoas se revoltam nessas horas? Ela faz parte do meio e da sociedade e não é a única que tem obrigação de ser uma Maria Teresa de Calcutá. Já adianto que não sou da imprensa e sou apartidário, mas apartidarismo não se pode comprovar, nem intenções veladas. Vai ter que acreditar na coerência do que escrevo. O interessante é que a gente se "revolta" com a imprensa quando a crítica é contra o nosso time, mas uando a opinião é a favor, não há um Cristo que se levante para falar de parcialidade. Minha sincera e humilde opinião: Se não fosse a imprensa, COM TODOS OS DEFEITOS E INTERESSES de alguns jornalistas. ela está sendo a nossa salvação e sempre será, enquanto DEIXAREM que ela exista. Abraços - 


Minha manifestação:


José Claúdio, concordo com você e as vezes é inerente ao ser humano esta tomada de posição.

Contudo, quando comentei o que você disse, com todo o respeito, foi atentar para levantamento de dados em épocas eleitorais, até porque o Serra afirmou que sabia da quebra desde fevereiro.

Concordo com você sobre a tomada de posição da imprensa, contudo, em muitas vezes é claro, que se deturpa a realidade, sendo que, é democrático questionar estas situações.

Quanto ao seu comentário, afirmo novamente que não quis ser deselegante, só questionar o levantamento dos dados em épocas eleitorais, quando o crime existia antes.

O que parece é que o único intuito era o trunfo político.

de qualquer forma o debate é bem vindo.



Resposta de José Cláudio


Caro Marcelo Wanderlind... estamos, no fundo, falando quase a mesma coisa. O importante é notar que a imprensa delata, mas o julgamento é nosso, inclusive de suas incoerências. A imprensa só conduz os fanáticos, mas eles são os mesmos que também vêem as propagandas partidárias, as governamentais e os horários políticos, que os guiam mais perigosamente para as urnas porque mostram um Brasil que não existe, conforme o interesse de mostrar o céu e o inferno. Se pensarmos bem, o povo está muito mais sujeito às influências da propaganda oficial que nós é empurrada goela abaixo e sem nos permitirem um debate democrático, assim como estamos fazendo aqui neste espaço, os prós, os contras e os apartidários.

Que a gente seja obrigado a ler, ver e ouvir, mas os lugares onde podemos nos manifestar sempre serão os mais construtivos, sem o risco de lavagem cerebral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário